PULSEIRA ANTI-ENJÔO / ACUPRESSÃO

O QUE DIZ A MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

A acupressão é uma das várias técnicas utilizadas pela medicina tradicional chinesa. Desenvolvido há mais de 4.000 anos, mediante observação minuciosa e testes, este sistema é muito diferente da ciência ocidental em termos de filosofia e prática. A medicina ocidental começa pelo sintoma e procura por uma causa específica ou doença. A medicina tradicional chinesa trata o sintoma somente como um dos muitos fatores em todo o perfil fisiológico e psicológico da pessoa, que precisa ser analisado para se encontrar o “padrão de desarmonia”.

De acordo com a medicina tradicional chinesa, a doença resulta de um desequilíbrio no fluxo do Chi (“energia vital”) através do corpo. O significado original da palavra Chi (também pronunciada Qi) era simplesmente ar, sopro, respiração, ou energia. Com o tempo evoluiu para significar a nutrição vital e energia protetora que a tudo mantém no universo. Recebemos o Chi de nossos pais na concepção, e depois do nascimento continuamos a extraí-lo dos alimentos e do ar.

O Chi é gerado pelo constante movimento da energia entre o yin e o yang, duas forças opostas e complementares. Quando uma predomina, o fluxo da energia é perturbado, resultando em doença e instabilidade emocional.

O Chi circula através do corpo ao longo de uma rede de canais invisíveis sob a pele chamados de meridianos. Existem 12 meridianos básicos, emparelhados nos lados direito e esquerdo do corpo, denominados segundo os órgãos internos a que estão associados, tais como os pulmões, intestino grosso e (no caso do P6) o pericárdio.

Distribuídos ao longo dos meridianos existem 2.000 ou mais pontos conhecidos de acupuntura, onde sabe-se haver uma concentração de Chi, representando o local em que ele entra e sai do corpo. A estimulação destes pontos – quer com agulhas, calor, pequenas correntes elétricas, ou pressão – tem o propósito de liberar o fluxo de Chi, restaurando bloqueios e eliminando perdas, fazendo o corpo retornar à harmonia.

COMO OS CHINESES USAM A ACUPRESSÃO

Tuiná, a forma como a acupressão é conhecida na China, é uma técnica de aplicar pressão com as mãos nos meridianos e pontos de acupuntura. Alguns pontos são conhecidos como particularmente poderosos, e os chineses chegam a pressioná-los ou esfregá-los com a unha, ou a ponta de uma colher, como uma medida de auto-ajuda.

O Pericárdio 6 (P6) é um deles. As funções do P6 incluem a circulação de energia no peito, a harmonização da digestão e do estômago, a regularização do fluxo de sangue, bem como acalmar a mente. Os chineses usam este ponto para tratar dor no peito, períodos irregulares e dolorosos, tensão pré-menstrual, insônia, e, devido a sua influência no estômago – aliviar enjôo, náusea, vômitos, regurgitação ácida, azia, etc.

O QUE DIZ A CIÊNCIA OCIDENTAL

Quando o assunto é Chi e meridianos, os cientistas ocidentais preferem encontrar outras explicações médicas mais aceitáveis para o fenômeno representado pela acupressão e acupuntura. Eles preferem associá-lo a componentes químicos aliviadores da dor, como as endorfinas, e também à “teoria da porta de controle” para o alívio da dor.

De forma simples, de acordo com esta teoria, mensagens de pressão transmitidas pelos nervos alcançam o cérebro mais rápido do que as mensagens de dor. Uma vez que o cérebro só consegue receber um certo número de mensagens de cada vez, a “porta” se fecha quando os sinais de dor chegam.

É como se a pressão estimulasse fibras nervosas que sobem através da coluna vertebral, resultando em última instância na produção de endorfinas, morfina – compostos similares que influenciam os sistemas hormonal e imunológico, e inibem a percepção do cérebro, especialmente quando associados a ansiedade e estresse. Mas, porquê, por exemplo, o estímulo de certos pontos específicos, e não de outros, desencadeia certas respostas do cérebro? E de que forma estas repostas induzem uma reação em outra parte do corpo, aparentemente sem relação alguma com a primeira?

Se os agentes neuroquímicos são os responsáveis, quais os canais através dos quais eles operam? Nem o sistema nervoso, e nem os sistemas vascular ou linfático, conseguem esclarecer completamente este fluxo de informação.

Será que existe um padrão de energia – possivelmente eletromagnético – baseado nesses antigos meridianos chineses, tão sutil, que a tecnologia moderna ainda não conseguiu detectar? Ninguém realmente sabe. Os cientistas chegam a admitir claramente estarem na Idade da Pedra quando confrontados com explicações a respeito das complexas interações entre a mente e o corpo.

Em um estudo, traços radioativos, injetados em pontos da acupuntura, pareceram viajar através de caminhos semelhantes aos meridianos, sem nenhuma relação com os sistemas linfático ou de circulação de sangue, e, de acordo a alguns pesquisadores, parecendo indicar um mecanismo neuroquímico de transmissão da informação.


FALE CONOSCO / TEL: (11) 2129-7817 das 9às18hs  / EMAIL: contato@energiazen.com.br

Energia Zen 2008 | Todos os Direitos Reservados